Anestésico Xylestesin 2% - Cristália

Cod. de Referência: 323870

Embalagem com 50 tubetes de plástico com 1,8ml cada. Cloridrato de Lidocaína Sem Vaso.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

XYLESTESIN É UM MEDICAMENTO, SEU USO PODE TRAZER RISCOS, PROCURE UM MÉDICO OU UM FARMACÊUTICO. LEIA A BULA. MEDICAMENTOS PODEM CAUSAR EFEITOS INDESEJADOS, EVITE A AUTOMEDICAÇÃO: INFORME-SE COM O FARMACÊUTICO.

R$132,59
Condições de Pagamento [ + ]

Nos cartões

MastercardVisaDinersAmerican expressElo

*Em até 12x sem juros * com parcela mínima
de R$ 100,00

No Boleto Parcelado

Boleto

*Em até 6x sem juros * com parcela mínima
de R$ 200,00

Pagamento Antecipado

Boleto

*Ganhe 3% de desconto * desconto concedido no
total dos produtos
* Estas condições de parcelamento não se aplicam a todos os produtos da loja virtual.
Esgotado

Calcular frete e prazo

O prazo de entrega inicia-se após a confirmação de pagamento.

Indicação

INDICAÇÃO:

O Xylestesin® (cloridrato de lidocaína) 2% carpule é indicado para anestesia local em odontologia e pequenas
cirurgias.

CONTRA-INDICAÇÃO:

Hipersensibilidade aos anestésicos locais do tipo amida ou aos outros componentes da fórmula.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgiãodentista.

CUIDADO E ADVERTÊNCIA:

Dentistas que utilizam anestésicos locais devem ser conhecedores do diagnóstico e manejo das emergências que possam surgir da sua utilização. Equipamento de ressuscitação, oxigênio e outros fármacos para ressuscitação devem estar disponíveis para uso imediato. Para minimizar o risco de injeção intravascular, deve ser feita aspiração antes da solução de anestésico local ser injetada. A agulha deve ser reposicionada até não haja retorno de sangue provocado por aspiração. Contudo, a
ausência de sangue na seringa não assegura que a injeção intravascular será evitada. Deve-se ter cautela ao administrar lidocaína em pacientes com doença cardíaca isquêmica, choque grave, bloqueio
cardíaco, função cardiovascular prejudicada ou doença hepática. Pacientes com doença hepática tem um risco maior
de desenvolver concentrações plasmáticas tóxicas, devido a sua inabilidade de metabolizar normalmente os
anestésicos locais. A eficácia e segurança da lidocaína dependem da dose e técnica corretas, precauções adequadas e prontidão para
manejo das emergências. A lidocaína deve ser usada com cuidado em pacientes tratados com antiarrítmicos, como a tocainida, pois os efeitos
tóxicos são aditivos, bem como em pacientes usando betabloqueadores, cimetidina e digitálicos. Efeitos cardíacos
aditivos podem ocorrer quando a lidocaína é administrada com fenitoina intravenosa; no entanto, o uso a longo
prazo de fenitoína e outros indutores enzimáticos pode aumentar as necessidades de dose de lidocaína. Hipocalemia
produzida por acetazolamida, diuréticos de alça e tiazidas antagonizam o efeito da lidocaína.

POSOLOGIA:

A dose de cloridrato de lidocaína depende da condição física do paciente, da área da cavidade oral que será anestesiada, da vascularidade dos tecidos orais e da técnica anestésica utilizada. O menor volume de solução que resulta em anestesia eficaz deve ser administrado e deve haver tempo entre as injeções para observar se o paciente manifesta alguma reação adversa. Adultos
Bloqueio: 1,5 a 1,8 mL
Cirurgia: 3 a 5 mL
Doses Máximas Permitidas: 4 mg/kg (limite máximo de 06 carpules)
Se ocorrerem sintomas tóxicos leves, a injeção deve ser interrompida imediatamente.
Crianças, a dose deve ser individualizada de acordo com o peso e idade da criança. Não ultrapassar a dose máxima permitida de 4 mg/kg.
A dose deve ser reduzida em idosos, pacientes debilitados e em pacientes com cardiopatias e hepatopatias.
Cloridrato de lidocaína sem vasoconstritor deve ser reservado para uso em cardíacos e na tireotoxicose e quando há sensibilidade à orepinefrina.
Registro ANVISA: 1.0298.0357-009-4.

Características
Itens Inclusos